​Casamento não deve ser solução para gravidez inesperada


​​

Apesar de já estar ultrapassada, a ideia de que o casamento é a solução para uma gravidez inesperada continua sendo colocada em prática, o que é um erro. Muita gente ainda leva em consideração a tradição, a honra, os deveres morais ou religiosos ao avaliar a decisão de assumir um compromisso por causa de uma gestação. Mas a sociedade está mais preparada para aceitar formações familiares diversas, o que inclui pais que não sejam casados ou nem sequer tenham tido um relacionamento algum dia (e o filho é resultado de uma transa casual). "É importante que a resolução não seja tomada com base em argumentos passionais ou preconceituosos", afirma o terapeuta familiar e de casal Luciano Passianotto, de São Paulo (SP), que diz, ainda, que optar por se casar pensando que "se não der certo, podemos nos separar" é também um grande erro. "Um casamento consome meses de planejamento, requer mudanças no estilo de vida e exige recursos emocionais e financeiros. Todos esses recursos devem estar voltados ao bebê que está para chegar, não ao casal", afirma. É óbvio que cada caso tem suas particularidades, e todos os ângulos da situação devem ser observados. Existem casais que estão juntos por anos e continuam e se amar; há os que mal se conhecem e outros, ainda, que arrastam uma relação já sem brilho há tempos. "Na minha opinião, o casamento não deve ocorrer quando sua motivação é qualquer outra que não o amor e desejo de ficar juntos. Tomar essa decisão por um sentimento de

​ ​

culpa ou para não se opor à família é muito danoso", diz Luciano. A psicóloga Gisela Castanho, de São Paulo (SP), afirma que, no caso de casais muito jovens, outras questões precisam ser consideradas, de ordem emocional, financeira e prática. “No entusiasmo com a situação, rapazes e moças parecem se dispor a brincar de casinha e podem cultivar os planos de casamento como uma espécie de fantasia", diz ela. Na prática, é preciso saber que vão ter de abrir mão de várias coisas e deixar, aos poucos, a função de filhos para assumirem os papéis de pais de um bebê. "Nem sempre se casar é o ideal nesse início de vida, ainda mais

se terão de viver sob o mesmo teto que os pais", comenta a especialista, que é organizadora do livro “Terapia de Família com Adolescentes" (Ed. Roca). Veja o artigo original publicado aqui

POSTS EM DESTAQUE
POSTS RECENTES
PROCURAR POR TAG
Rua General Eldes de Souza Guedes 63
Vila Sônia - Morumbi, São Paulo
WhatsApp/Cel: (11) 98546-6900

passianotto@gmail.com

  • Facebook - White Circle
  • YouTube - White Circle
  • Google+ - White Circle
  • Twitter - White Circle

© 2018 SUPERNOVA DIGITAL por VÂNIA CAPARROZ para LUCIANO PASSIANOTO | Psicoterapeura