Rua General Eldes de Souza Guedes 63
Vila Sônia - Morumbi, São Paulo
WhatsApp/Cel: (11) 98546-6900

passianotto@gmail.com

© 2018 SUPERNOVA DIGITAL por VÂNIA CAPARROZ para LUCIANO PASSIANOTO | Psicoterapeura

​Como o corpo reage durante o orgasmo?

 

Dia 31 de julho se comemora o Dia do Orgasmo. O ponto máximo de um ato sexual ainda é pouco discutido e possui um certo tabu à sua volta, principalmente quando tratado no universo feminino. O processo que envolve o orgasmo vai muito além de estímulos físicos; a mente também precisa trabalhar para que o resultado seja o esperado: prazer e relaxamento.

Entendendo

“O orgasmo é uma sensação intensa de prazer que ocorre no ápice de uma experiência sensorial de excitação sexual”, explica o psicólogo Luciano Passianotto. A ideia pode parecer simples, mas, para alcançá-lo, é necessário muito mais do que apenas o momento e a estimulação física.

Apesar de ainda ser um assunto pouco explorado – principalmente entre pais e filhos (em especial, as meninas) –, o diálogo é fundamental, já que o prazer total só pode ser obtido por meio do autoconhecimento. Entender o próprio corpo parte da exploração dos pontos de prazer e, assim, atingir o orgasmo se tornará uma tarefa menos complicada.

Chegando lá

A falta de conhecimento do próprio corpo não é o único fator que dificulta o orgasmo. “Essa disfunção também pode ser de fundo orgânico ou psicológico. A anorgasmia, ou transtorno orgástico, causa uma inibição recorrente ou persistente do organismo durante a excitação sexual”, alerta Passianotto.

Sua origem pode estar ligada a alterações ou lesões neurológicas e fatores biológicos ou psicológicos. Há outros distúrbios que influenciam diretamente (e negativamente) a não obtenção do prazer. Alguns exemplos são a dispareunia, que causa dores intensas durante o ato sexual; e o vaginismo, que contrai os músculos da vagina dificultando ou impedindo a penetração.

O orgasmo pelo corpo

Cérebro: “recebe as informações táteis das zonas erógenas do corpo (vagina, clitóris, ânus, seios, entre outras) por meio de neurotransmissores, e libera hormônios responsáveis pela sensação de relaxamento e prazer, como a adrenalina”, descreve o psicólogo Luciano Passianotto;
Órgãos genitais: tornam-se mais irrigados pelos vasos sanguíneos e apresentam maior sensibilidade, caminhando para o ápice do prazer sexual;
Respiração: fica mais rápida, porque o sangue necessita de mais oxigenação;

Frequência cardíaca: há um aumento na frequência cardíaca e arterial;

Músculos: se contraem e relaxam, por isso a presença de alguns tremores no momento. O corpo só se acalma após a liberação de endorfina.

Você finge orgasmo?

Uma pesquisa do Projeto de Sexualidade da Universidade de São Paulo (USP) aponta que cerca de 50% das mulheres brasileiras têm dificuldades para alcançar o auge do prazer. “Uma parcela significativa de mulheres brasileiras já fingiram chegar ao clímax e seus parceiros nunca perceberam. Mas seria ideal que elas se abrissem, conversassem sobre melhores posições, dias e preliminares. Tenho muitas pacientes que só conseguem ter um orgasmo ainda por meio de sexo oral e muitas vezes durante a relação essa etapa é esquecida”, diz Lelah Monteiro, educadora sexual e psicanalista.

 

Veja o artigo original publicado aqui
 

Please reload

POSTS EM DESTAQUE

Quem nunca? 6 frases que todo mundo deveria evitar em uma DR

1/10
Please reload

POSTS RECENTES
Please reload

PROCURAR POR TAG