Rua General Eldes de Souza Guedes 63
Vila Sônia - Morumbi, São Paulo
WhatsApp/Cel: (11) 98546-6900

passianotto@gmail.com

© 2018 SUPERNOVA DIGITAL por VÂNIA CAPARROZ para LUCIANO PASSIANOTO | Psicoterapeura

​Como encarar os problemas do dia a dia

4/21/2017

Não importa o quão planejada seja nossa rotina: ter problemas é inevitável. E quando aparecem, devemos saber nos portar diante deles, sem deixar que os pequenos se tornem verdadeiras bolas de neve e que os grandes nos impeçam de seguir com nossas vidas.  “A vida da gente é constituída de muitas situações problemáticas e elas têm uma função positiva que é justamente nos levar a tomar decisões e escolher as coisas que vão dar rumo para nossa existência”, diz a terapeuta familiar e professora da PUC-SP, Rose Macedo.

Saia da posição de vítima

A primeira atitude a se tomar para lidar com problemas, segundo o psicólogo Luciano Passianotto, é sair da inércia. “Algumas pessoas não se movem diante dos problemas porque acham que, no momento, eles incomodam pouco, o que contribui para que problemas pequenos virem grandes problemas. Outras preferem lamentá-los ao invés de resolvê-los por acharem que, por estarem na posição de vítima, os outros serão mais condescendentes com seus erros e imperfeições”, diz Luciano.

Segundo o especialista, essa forma de encarar os problemas é uma maneira de se conviver com eles, mas que sempre traz muitas desvantagens, já que demanda a difícil condição constante de se aceitar os problemas ali, sem resolvê-los.

“Não sinta dó de si mesmo, não seja teimoso, vaidoso, ou orgulhoso, e não tenha vergonha de pedir ajuda ou de mudar de opinião. Foque na resolução e no ganho e não no problema em si”, aconselha Luciano.

Seja realista e positivo

Ser realista é essencial na hora de resolver problemas. Eles podem ser encarados como bons ganchos emocionais na hora de superar desafios ou aproveitar oportunidades, mas precisam ter sua complexidade avaliada da maneira correta para que a pessoa não sinta que foi perda de tempo o esforço investido neles, nem que eles são tão complexos que não possuem uma solução. “Antes de tudo a gente tem que aceitar que nada vem de graça”, diz Rose Macedo, da PUC-SP. “Se compreendemos que um problema não é mais do que uma situação que pode ser ouvida, que para tudo tem uma solução, não vamos sofrer”. A dica, segundo a dra. em psicologia, é “não entrar em pânico,  olhar as coisas de frente e aceitar que são situações que precisam ser resolvidas”

“Para reverter problemas de forma efetiva as pessoas precisam ser pragmáticas e realistas. Devemos manter o foco no ganho pela solução do problema e não no problema em si ou a complexidade da sua resolução. Quando focamos neste ganho acabamos naturalmente pensando em alternativas de uma forma mais positiva”, complementa Luciano Passianotto.

Estabeleça prioridades

Alguns problemas podem ser grandes, mas necessitam, muitas vezes, de uma resolução menos urgente do que outros pequenos, que podem crescer se colocados de lado. Por isso, é aconselhável optar primeiro pela resolução de problemas importantes e urgentes. Além disso, medir as consequências das atitudes que tomamos em relação aos problemas podem evitar que surjam outros.
“Temos sempre que pesar se a solução do meu problema não vai gerar problemas para outros. Neste caso ao invés de resolver o problema estamos somente trocando de problema, e esse novo problema pode sim ser mais complicado que o anterior”, pondera Luciano.

Faça um plano

Problemas exigem eficácia na hora de resolvê-los. “O primeiro passo é encarar e reconhecer o tamanho do problema e o quanto ele o afeta. O segundo passo é conhecer bem esse problema, como ele funciona, seus detalhes e seu pontos fracos. Por fim, escolher a “ferramenta” correta para resolver o problema”, explica Rose Macedo.
As ferramentas utilizadas da resolução podem ser de diferentes ordens, como mudar de hábitos, abrir a mente para novos pontos de vista ou promover parcerias com terceiros para sanar as dificuldades. Definir os problemas com clareza, traçar um plano para solucioná-los, executá-lo e analisar suas consequências é essencial para evitar que outros surjam e se acumulem.

 

 

Veja o artigo original publicado aqui

 

 

 

 

Please reload

POSTS EM DESTAQUE

Quem nunca? 6 frases que todo mundo deveria evitar em uma DR

1/10
Please reload

POSTS RECENTES
Please reload

PROCURAR POR TAG